A Menina Mais Fria de Coldtown

photo_2016-05-31_01-41-40

  • Autor: Holly Black
  • Ano: 2014
  • N° de páginas: 384
  • Edição: 1°
  • Tradução: Ana Death Duarte
  • Editora: Novo Conceito

          Bem, já faz sete meses desde que eu posto alguma resenha aqui… É gente, universidade não é fácil, principalmente História, onde é livro em cima de livro para ler. Fui meio largada também, entrei hoje no blog com a intenção de deletar, mas mudei de ideia. Nesses últimos meses que fiquei afastada, li três livros, mas só irei resenhar um, que é A Menina Mais Fria de Coldtown. Comprei na Bienal de 2014, e ainda não tinha lido. Como esses dois semestres me forçou a amadurecer o senso crítico, o gosto por leitura e tudo mais, achei que tinha, de fato, virado adulta. Entrei no meu Skoob, para olhar os livros da minha estante, e deletei vários por perceber que a maioria das histórias não me agradavam mais, na sua maioria, livros infantos juvenis, romances melosos ao estilo Jonh Green, mas tem aqueles que a gente nunca desapega. Quando fui ler esse livro, peguei com um certo medo, já que tava nessa de “””desprezar””” romances, fiquei meio assim de não gostar, apesar da boa história, só por aquela pirraça do inconsciente.  Achei que seria clichê, achei que seria trio amoroso, achei que seria estilo Crepúsculo, mas no fim não foi nada disso.

          O livro inicia naquela aura de suspense, bem início de filme. Tana, a personagem principal, acorda numa casa, após uma festa, e tá todo mundo morto, exceto pelo seu ex-namorado infectado e um vampiro louco acorrentado. E para poder dar um “quê” de movimentação no clima mórbido, os vampiros ainda estão na casa, e especificamente atrás do vampiro acorrentado, ou Gavriel, ou Espinho de Istra. Quando Tana ajuda os dois, e logo depois fogem, eles chegam a conclusão de que precisam ir para a Coldtown mais próxima. As Coldtowns, são cidades em quarentena, fortemente muradas e isoladas do mundo, bem na teoria. Pois na prática, lá dentro é uma festa eterna repleta de seres belos e imortais, que fazem questão de mostrar o glamour de ser um vampiro para o mundo, como é o caso de Lucien Moureau.

          Indo diretamente para os personagens, uma das coisas que gostei muito na Tana, é que ela faz o necessário. Ajuda, foge, mata. Ela não é como aquelas bobinhas de filmes/livros de terror que espera uma atitude de outra pessoa, ela vai lá e faz. Num mundo onde ser vampiro é o top, Tana quer e preza por ser apenas uma adolescente normal, suspeito que seja por conta de um trauma que sofreu, mas é uma das personagens que me surpreendem. Acho que poderia dizer, com alguma relutância, que Tana é, de certa forma, empoderada. Uma mulher independente, e que consegue, ou tenta conseguir, tudo sozinha, mas é inevitável a presença das pessoas que a amam ajudando-a.

          Bem, sobre Gavriel, só digo que: antes de começar a ler esse livro, eu assisti o anime Death Note (RECOMENDO DEMAIS), e bem, digamos que enquanto eu lia, eu só o conseguia imaginar como o L, do anime. E além disso, ele é russo, outra coisa que eu amo, então tá tudo lindo. E sobre o Lucien, o imaginei como o Geralt de Rívia, do jogo The Witcher.

          É um dos motivos que me fez perceber que esse livro não é um clichê: ele não fala sobre o amor, apesar de eu ter shippado (E MUITO) Gavriel e Tana, ele transmite bem a aura de sobrevivência, do caos de uma Coldtown, onde um deslize termina em sangue. Umas das coisas que eu mais gostei também, como uma amante da poesia, é que em cada início de capítulo, há um trecho de poesia sobre morte. É uma história empolgante, tem seus momentos de pico e aqueles mais devagar, me decepcionei um pouco com o final, o que me fez perceber que eu ainda não sou uma adulta cética.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s